Três dicas para se apresentar numa entrevista de emprego

Ser convidado para uma entrevista de emprego é indicativo de esperança. Como em um encontro amoroso, estão em jogo as compatibilidades e a habilidade das partes de escolherem, de seu repertório, aquilo que mais encanta a outra parte. A diferença para a entrevista é que uma das partes geralmente está em desvantagem: o candidato. Desvantagem à parte, ambos compartilham uma esperança.

Para fazer deste encontro chamado entrevista, algo mais próximo do agradável, seguem três dicas:

1) Saiba o que quer da sua vida: é sua responsabilidade ter clareza ou usar a entrevista para esclarecer como a vaga para a qual você está sendo entrevistado pode gerar sentido para a carreira que você está construindo. Uma questão que poucos costumam fazer, mas que pode ajudar na construção desta perspectiva temporal da vaga é o que aconteceu com a pessoa que ocupava a vaga antes de você, caso se trate de uma substituição; que fatores fizeram com que a empresa criasse esta posição, caso se trate de uma nova posição na estrutura organizacional. Neste último caso, vale checar se o que levou à criação da vaga é uma conjuntura com data marcada para expirar.

2) Explore e respeite as regras do local: aproveite o momento da entrevista para observar o estilo do entrevistador, a forma com que se veste ou se comunica. Observe o espaço físico, caso a entrevista seja realizada no potencial local de trabalho: como as pessoas se comportam? As pessoas parecem satisfeitas? Você consegue se imaginar neste lugar? Uma entrevista vale também para você avaliar se se trata de um local do qual deseja fazer parte.

3) Tenha clareza do que aprendeu com suas experiências anteriores:evite falar de suas experiências profissionais de forma generalizável, ou seja, de forma que possa ser dita por qualquer pessoa. Uma entrevista não tem como finalidade testar suas habilidades de descrever seus cargos anteriores, mas é o momento para você dar vida e personalizar as palavras que contam sua trajetória profissional.

Privilegie aquilo que você fez nos projetos que mencionar, lembrando-se de facilitar a vida do entrevistador estrutrando o que disser contando do contexto em que esta ação se deu, qual ou quais foram suas ações em específico e qual ou quais foram os resultados de tais ações.

Um exemplo, supondo que a experiência de que se está falando é a de controle de orçamento de uma área. Falar desta experiência de forma generalizável, pode se traduzir pela fala do candidato: “Eu era o responsável pelo controle financeiro da área”. Falas que dão vida à experiência seguem exemplificadas: “Criei uma planilha compartilhada para dar visibilidade ao orçamento da área”; ou ainda, “Incluí a atividade de controle de orçamento no plano de desenvolvimento do assistente da área e o acompanhava em reuniões semanais”.

Em suma, lembre-se de que uma entrevista não existe para que você repita o que está no currículo. Um bom empregador terá lido seu currículo e, se não, caso o encontro desperte o interesse, seu currículo poderá ser consultado em profundidade na sequência da entrevista.

Cuide do momento da entrevista como um espaço de encontro de pessoas com interesses possivelmente comuns, que precisam se conhecer. Escolha o que deseja mostrar: fragmentos da sua história que ninguém domina melhor que você.

Bom trabalho! Boa sorte!

Por Adriana Ricci. Sócia-fundadora da TRID — Trabalho e Identidade. Psicóloga especializada em Orientação Profissional e de Carreira pela USP, Coach pela SBC e Psicanalista pelo IPLA. Possui sólida experiência em Recursos Humanos, sempre ligada aos processos de vanguarda em desenvolvimento e gestão de pessoas de grandes empresas multinacionais, além de atendimento particular em orientação profissional e de carreira.

Receba conteúdo exclusivo

 

(11) 9 5057-9410

 

Alphaville | Berrini | Granja Viana

Higienópolis | Pinheiros | Vila Madalena

São Paulo - SP

 

Empresa registrada no CRP/SP: 06/5671/J